EnglishFrenchGermanItalianPolishPortugueseSpanish


Notícias

SIGNIFICANDO O NATAL!

“E o Verbo se fez carne e habitou entre nós” (Jo 1,14). Eis aqui um dos versículos mais importantes que fundamenta biblicamente a celebração do Natal. Deus sempre entrou em comunicação com a humanidade por meio de muitos modos, mas a sua Encarnação – que não é o seu nascimento – representa o mais eloqüente (Hb 1,1-3): se faz gente! A Encarnação precede o nascimento! Quem nasce é Aquele que se encarnou! Da concepção ao Nascimento (Natal) há nove meses de gravidez! Damos pouca importância ao tempo da gravidez!

O termo “Verbo” usado pelo evangelista João, não quer somente indicar um sinônimo de “palavra”, mas, sobretudo, é um resumo de toda a intencionalidade divina de se fazer palpável, visível, sensível, histórico, próximo, exemplar, expressivo! Aqui entra pouco a semântica, pois estamos no campo da fé no qual cada “palavra” assume um sentido transcendente.

A palavra é meio de comunicação… e ela pode chegar a nós de tantas formas, mas sempre é um meio. Diferente, é quando a palavra é acompanhada da presença! A Encarnação é, pois, o fato de Deus “deixar” os tempos da mediação pelos profetas e se fazer “imediato”, realmente presente, em pessoa, sem meios! Dessa forma, quem escuta a sua Palavra, deve acolher a sua pessoa! Essa é uma realidade passada, mas ao mesmo tempo é uma verdade para os tempos futuros!

Deus se fez, eticamente “práxis”, pois os recados proféticos se converteram em realidade existencial, o sinal extraordinário se verificou: “uma virgem conceberá e dará a luz um filho” (Is 7,10-14). A divindade sai da abstração!

Sim, Deus é Pedagogo! Precisamos algo mais do que mensagens! A prática da assimilação do bem não é fácil! Deus transcende a virtualidade, assume um corpo não porque dele necessite, mas porque sabe que para salvar é preciso estar próximo, portanto, assume a corporeidade como instrumento salvífico!

A prática do bem requer visibilidade, a prática significa relação, a prática envolve os sentidos… Então, Deus “onipotente”, “onipresente”, “onisciente”, “invisível”, “espírito absoluto” decide, por sua liberalidade, assumir uma forma passando assim a ser uma referência concreta capaz de ser vista, identificada, acolhida, observada, seguida: é Jesus de Nazaré!

A divindade que, tudo transcende (supera), abraça a humanidade limitada! Deus se faz solidário e, nessa solidariedade, assume a fragilidade, a limitação, o tempo, o espaço e tudo o que é naturalmente humano… Contudo, sem deixar de ser Deus! A Encarnação, é Solidariedade e não renúncia da Identidade Divina… Caso contrário, jamais poderia ser o nosso Salvador!

Celebrar o Natal é fazer memória de tudo isso! Nasce daí o compromisso de aprendermos com o Exemplo de Deus que, encarnando-se, denuncia toda e qualquer prepotência, indiferença, invisibilidade, distanciamento, impessoalidade, exclusão, orgulho, fechamento… A fé é a vivência cotidiana do “Deus conosco”! Feliz Natal!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CURATORIUM DO CRESCO

No dia 22 de fevereiro em Tlaquepaque, Jalisco, México, os Inspetores das regiões do Cone Sul e Interamérica se reuniram para participar do Curatorium do

Leia mais

BOSCOFOLIA 2024

No dia 13 de fevereiro, o Pró Menor Dom Bosco, na Zona Leste de Manaus, foi palco de uma celebração única neste Carnaval. O BoscoFolia

Leia mais

Está gostando deste Conteúdo? Compartilhe!

plugins premium WordPress
Ir para o Whatsapp
1
Precisa de ajuda?
Olá! Podemos te ajudar? 😀