EnglishFrenchGermanItalianPolishPortugueseSpanish


Notícias

MISSA DE ABERTURA DO CG26: HOMILIA DO REITOR-MOR

“As tuas palavras são espírito e vida; tu tens palavras de vida eterna”
Segunda-feira da quarta semana da Quaresma
Homilia para o dia de abertura do CG26
Is 65,17-21; Sl 29,; Jo4,43-54

Carissimos irmãos capitulares

Concluímos a etapa preliminar do CG26, que nos levou a Turim para visitar os lugares santos salesianos, seguindo-se a apresentação da vida da congregação através dos diversos Sectores e Regiões, concluindo com os dias de Retiro Espiritual. Tudo isso faz parte, obviamente, da experiência capitular, porque se trata de elementos que deveriam estimular a tomada de consciência da realidade da nosso congregação, o nosso entusiasmo pelo vocação salesiana e a disponibilidade do nosso interior para esta experiência do Espírito.

O dia de hoje significa, porém, a abertura formal do Capitulo Geral, e não temos modo melhor para o começar que celebrando o memorial da nossa salvação, fonte e culminação da nossa vida e da nossa missão.

A Palavra de Deus que escutamos encontra a sua chave de leitura no versículo do canto do Evangelho; “As tuas palavras, senhor, são espírito e vido; tu tens palavras de vida eterna” e constitui uma sugestão a fazer desta importante sede capitular um intenso processo de discernimento, deixando-nos guiar pelo Espírito santo e tendo na palavra de Deus a exigência crítica sobre tudo o que na nossa vida pessoal, comunitária ou institucional não está de acordo com o Seu querer, a iluminação para conhecer melhor quanto somos chamados a ser e a fazer, a energia para assumi-lo e levá-lo à prática.

Na primeira leitura, o Terceiro Isaías dirige-se ao povo, regressado do exílio, que cede ainda à tentação dos cultos idolátricos, resiste à voz do Senhor, não procura invocar o seu nome e de tal modo o provoca, recordando-lhe que Deus é juiz e justo e designa uma sorte bem diversa aos seus servos fiéis e aos rebeldes. Neste contexto, a passagem proposta abre uma pequena abertura de luz sobre o futuro, revelando as dimensões do desígnio de Deus, que não se restringe ao destino dos indivíduos, mas abarca todo o cosmos: as tribulações antigas serão brevemente esquecidas, porque o Senhor se prepara para fazer uma “nova criação”, inundada de alegria. Nestes versículos parece entrelaçar-se o canto do coração de Deus e o da humanidade: a alegria de Deus pela sua sociedade santa, pelo seu povo renovado no seu íntimo, reponde à alegria do povo pelas maravilhas desta recriação. O profeta coloca as mais belas imagens da vida humana para exprimir o inefável, para aludir à vida de comunhão com Deus: a na nova Jerusalém desaparecerá a tristeza, cessará a difusa mortalidade infantil, a longevidade será extraordinária, a liberdade e a estabilidade politica garantirão um vida próspera e serena. A obra salvífica do Senhor transformará o, mundo: é uma promessa que encontra em Jesus o seu cumprimento e que chegará à plenitude no fim dos tempos.

Temos necessidade, caros irmãos, de creditar nesta Palavra de Deus, necessidade em acolher nos nossos coração e nas nossas mentes como “espírito” a inspirar e “vida” a entregar. Porque nós, como salesianos, estamos a lutar contra a tristeza do mundo, sobretudo juvenil, e a trabalhar, ao lado de Deus, pela sua salvação. A nada mais devemos e por Nenhum outro trabalhamos. Recuperemos, portanto a coragem que infunde a Palavra escutada e acolhida. Estamos aqui para fazer realidade as promessas de Deus!

Eis o poder imenso da Palavra de Deus, capaz de criar do nada e de ultrapassar a morte, como nos é revelado em Jesus. Isto torna-se ainda mais evidente na passagem de João. João, com efeito, através de uma cura à distância quer revelar-nos Jesus como Palavra de vida, O Mestre volta à Galileia e é bem acolhido porque se difundiu a fama do que realizou em Jerusalém. Mas esta popularidade está fundada sobre a dimensão de prodígio. Volta a Caná, onde tinha operado o primeiro dos seus milagres (“sinais”, segundo a linguagem usado por João). Ora eis o segundo: um funcionário de Herodes Antipas suplica a Jesus para o seguir até Cafarnaum, onde o seu filho está a morrer. A colocação geográfica de Caná a respeito a Cafarnaum explica o sentido do verbo “descer”, mas não dá o significado total, cuja importância aparece na insistência com que aquele homem suplica a Cristo para “descer”. Ele, é, de facto, aquele que “por nós homens e pela nossa salvação desceu do céu”. Jesus rejeita uma fé muito imperfeita, mas o funcionário não desiste. Em resposta à invocação desesperada de uma humanidade que definhe e está para morrer, ele oferece então uma palavra que dá a vida, mas exige a fé.

O prodígio de Jesus é de facto a Palavra, uma ordem: se nela se crê e se obedece experimenta-se o milagre que está no seu íntimo. Estupendo e eficaz é o efeito do eco: o funcionário parte sentindo ressoar no coração o que Jesus lhe disse: “Vai, o teu filho vive”. Esta palavra, única esperança, acompanha e sustém cada passo que dá ao ir para casa. E dali vêm ao seu encontro os servos exultantes que lhe dão a noticia com as mesmas palavras: “Teu filho vive”. A fé que caminhou na obscuridade encontra a luz, torna-se consenso pleno: é repetida num “crescendo” a palavra de Jesus, e é seguida imediatamente pela afirmação: “E acreditai”.

Crer na Palavra é como abrir diante de nós uma porta que nos introduz numa realidade nova. Permanecer na Palavra, guardá-la no coração, significa participar na obra divina da recriação, santificação e transfiguração do cosmos. Crer na Palavra é deixá-la que se torne luz e viático no caminho da promessa, é permitir que nos diga a onde devemos ir e como devemos caminhar, quem nos espera e o que quer de nós.

Jesus é a Palavra vivente de Deus: só ele nos pode dirigir esta palavra com eficácia. E fá-lo de uma forma serena, comum, pedindo uma fé livre, absoluta. Consentir e partir acreditando nEle pode ser questão de vida ou de morte: foi-o para aquele pai sofredor do evangelho, que em resposta à sus súplica não recebeu de Jesus um prodígio, mas uma palavra de vida, e deixou-se abandonar. Nada tinha ainda mudado na sua existência, mas no seu coração habitava a esperança. Na noite do sofrimento e da prova a Palavra é lâmpada aos nossos passos. Torna-se também oração repetida sem vaidade até que encontrará a confirmação luminosa e poderosa: o Senhor escutou, o Senhor operou maravilhas de graça. Cristo Jesus é o Senhor da vida, no tempo e pela eternidade.

Toda a vida cristã, mas com muita mais razão a vida religiosa, e portanto, a vida salesiana, dão ocasião a acolher Jesus como o Logos do Pai, seu filho Unigénito, que somos convidados a escutar para modelar pouco a pouco a nossa vida de acordo com a sua. Se ser discípulo de Jesus significa entrar na sua escola, na escola do Evangelho, seguir Cristo sem compromissos para nos tornarmos nós mesmos Evangelho vivo para o mundo, ser consagrado quer dizer “tornar-se memória via do mundo no ser e operar de Jesus” (VC 19)

A vida religiosa, de facto, nasceu muito antes de que nascessem o Monacato, as Ordens, as Congregações, os Institutos da Vida Apostólica. Nasceu sobre o influxo do Espírito quando suscitou homens e mulheres que, encontrando Cristo, ficaram fascinados por Ele, sentiram sobre si o seu olhar, escutaram o seu chamamento, e deixaram todos e tudo para segui-lo, para ficar com Ele, para condividir a sua paixão pelo Reino, para deixar-se guiar pelo Espírito.

No início da vida consagrada “há sempre uma forte inspiração evangélica” – dizia Bento XVI na última Jornada mundial da Vida Consagrada” – recordando algumas figuras religiosas que assinalarem a história da Igreja, desde Santo António Abade em diante (Cfr. OR, 4-5.02.08, p.1).

Não foi diferente para nós, caros irmãos. Também a nossa vida Salesiana põe as suas raízes no Evangelho, na contemplação de dom Bosco do Cristo como o “Divino Salvador”, e a nossa missão está bem expressa no artigo 34 das Constituições que, depois de ter recordado a convicção de dom Bosco por “esta Sociedade que nos seus princípios era um simples catecismo” afirma: “Também para nós a evangelização e a catequese são a dimensão fundamental da nossa missão. Como Dom Bosco, somos chamados todos e em todas as ocasiões a ser educadores da fé. A nossa ciência mais eminente é, portanto, conhecer Jesus Cristo e a alegria mais profunda é revelar a todos as insondáveis riquezas do seu mistério”. Por isso o nosso carisma não se identifica com a festa das obras ou com o manter das estruturas, mas com uma grande missão, que em nós se torna paixão educativa, precisamente aquela de conhecer e amar a Cristo para o fazer conhecido e amado pelos jovens. Não temos outra missão mais bela e importante a cumprir.

O renovamento da nossa congregação é, portanto, inseparável do nosso retorno ao Evangelho. Com efeito, “a nossa regra de vida é Jesus Cristo, o salvador anunciado no Evangelho” (Const. 186)- A transformação do mundo, “os novos céus e a nova terra” de que fala a primeira leitura, e a salvação do homem, “a vida do jovem” de que fala a passagem evangélica, são fruto da Palavra escutada com fé. Desejo que possamos fazer nossa a resposta do funcionário do rei: “aquele homem acreditou na Palavra que lhe tinha dito Jesus e põs-se a caminho”; acreditamos, assim, e pomo-nos a caminho sem hesitação! Que este capitulo seja um exercicio da nossa fé sobre as palavras de Cristo, que possamos reler o Evangelho propondo-nos em compreender o que Jesus nos diz. Nada substituirá a força das palavras de Jesus. Deixemo-nos evangelizar por ele e tornar-nos-emos evangelizadores convictos, entusiastas, credíveis e eficazes para jovens, e eles encontrarão em Cristo e nele terão a plenitude de vida. Ámen.

Pe. Pascual Chávez Villanueva,
Casa Generalícia, 03 Fevereiro 2008

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CURATORIUM DO CRESCO

No dia 22 de fevereiro em Tlaquepaque, Jalisco, México, os Inspetores das regiões do Cone Sul e Interamérica se reuniram para participar do Curatorium do

Leia mais

BOSCOFOLIA 2024

No dia 13 de fevereiro, o Pró Menor Dom Bosco, na Zona Leste de Manaus, foi palco de uma celebração única neste Carnaval. O BoscoFolia

Leia mais

Está gostando deste Conteúdo? Compartilhe!

plugins premium WordPress
Ir para o Whatsapp
1
Precisa de ajuda?
Olá! Podemos te ajudar? 😀