EnglishFrenchGermanItalianPolishPortugueseSpanish


Notícias

Congressso Internacional Dom Rua I

Roma/Itália – Dom Rua dizia que “nós temos que trazer sempre a marca de Jesus nos afetos, nos pensamentos, nas palavras e nas obras; afetos e pensamentos, repletos do amor de Deus e da caridade pelo próximo; obras pela maior glória de Deus” (A II 666). Hoje (28/10) deu-se início com grande solenidade o 5° Congresso Internacional de História da Obra Salesiana, promovido pelo Instituto Histórico Salesiano, que escolheu como tema: Dom Miguel Rua, primeiro sucessor de Dom Bosco.

Neste primeiro dia, após as devidas apresentações das autoridades presentes, se iniciou a reflexão sobre Dom Rua com uma sequência de palestras que tentaram abordar dois problemas: o primeiro em relação à originalidade da figura de Dom Rua em relação a Dom Bosco; o segundo foi o de apresentar as duas biografias representativas sobre o beato, a primeira escrita por G. B. Francesia em 1911 e a mais recente escrita por F. Desramaut neste ano.

Francesia é um dos primeiros salesianos da história da nossa Congregação, ele foi professor de Domingos Sávio e formado em Letras Clássicas foi responsabilizado pela parte pedagógica do Oratório, mantendo uma amizade próxima com o jovem Miguel Rua. Esta proximidade deu a ele a autoridade necessaria para escrever a primeira biografia depois da sua morte. A qual, justamente por manifestar um tom amigavel, teve um grande sucesso de aceitação entre os salesianos. Tanto que somente depois da morte de Francesia é que surgiram outras biografias. Mas, é justamente neste ponto que podemos encontrar o valor deste texto, pois mais do que um trabalho científico é o documento de um testemunho ocular que conheceu de perto, por toda a vida, o beato Rua e pelo fato de que o sucesso obitido era por ser um texto aprovado e aplaudido por pessoas que também tinham conhecido Dom Rua.
Na imagem di Dom Miguel Rua que Francesia apresenta, prevalece a representação de uma pessoa que conseguiu ser em tudo o primeiro. Com isso, parece, que o escritor justifique o fato de surgir o primeiro suscessor de Dom Bosco: não tinha alguém mais digno dele entre os primeiros discipulos do Fundador. Uma outra imagem é esta: Rua mesmo conseguiu conquistar Dom Bosco que se sentia orgulhoso de ter um tal discipulo. A imagem de Dom Rua como Reitor Mor é aquela de um homem dedicado ao serviço total do carisma de Dom Bosco. Viver para Dom Rua era gastar todas as energias para o consolidamento e a difusão mundial da obra do amado pai, porque era uma obra providencial em favor dos jovens e por trazer tanta glória à Deus.

Já Desramaut aproveitando das reflexões atuais apresenta uma síntese mais completa sobre a figura de Dom Rua, a qual parte do principio de que o ambiente teve a sua importancia no amadurecimento desta personalidade tão rica. Antes de tudo, mais do que o gesto simbólico do “Faremos tudo a metade”, apresenta a importancia da presença de Dom Bosco confessor na escola onde o Miguelzinho Rua estudava, esta é uma das bases na qual podemos afirmar como Dom Bosco encontrando um jovem com boas qualidades e formação consegue aperfeiçoar e alargar o seu caminho de crescimento pessoal e espiritual. Assim, a personalidade de Dom Rua deve muito aos Irmãos das escolas Católicas que deram a base da sua formação pessoal e ao ambiente do Oratório que o ajudou a desenvolver suas capacidades. Levando-o àquela generosidade e dedicação à Dom Bosco durante toda a sua vida e depois da sua morte como Reitor Mor. Forjando aquela robusta personalidade humana e espiritual que conhecemos hoje, onde pode ser evidenciada a virtude da Prudência, da Temperança e da Pobreza, todas vividas em função de uma Caridade ardente que lhe queimava no coração.

O modo tão diferente de perceber a santidade de Dom Rua em relação à santidade de Dom Bosco nos autoriza a afirmar que ele não foi uma “cópia” do Fundador, mas viveu um projeto de santidade original e personalizado. Pois, quando se fala de “fiel discipulo” não se deve aceitar esta conotação de sombra de Dom Bosco, mas se deve preferir a expressão adotada pelo Reitor Mor na sua carta de 24 de junho de 2009, com a qual ele dedica um ano à memoria do beato Miguel Rua no primeiro Centenário da sua morte: nesta dom Chavez fala de Dom Rua como um “discípulo fiel de Cristo nos passos de Dom Bosco”.

Na realidade, mais do que uma simples “cópia” do Fundador, o primeiro sucessor de Dom Bosco aparece, mesmo na vida espiritual e no caminho da santidade salesiana, como aquele que “fez da fonte uma correnteza e um rio”. Conservando intacta a própria personalidade, que era bem diferente daquela de Dom Bosco, ele aprofundou e sistematizou em um projeto pessoal de vida o caminho de perfeição de São Joao Bosco percorrendo uma estrada própria e original. Por isso o beato Miguel Rua apresenta em si mesmo as melhores chaves interpretativas para entender em profundidade o modelo de santidade realizado por Dom Bosco.

Concluimos o dia com a abertura oficial da Mostra: “Dom Miguel Rua um ‘outro’ Dom Bosco”; e com a visualização do DVD: “Dom Rua: o Sucessor”. Amanhã continuaremos os trabalhos enfrentando o problema da separação juridica entre a Congregação Salesiana e o Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora, juntamente com a grande expanção missionária concretizada neste periodo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CURATORIUM DO CRESCO

No dia 22 de fevereiro em Tlaquepaque, Jalisco, México, os Inspetores das regiões do Cone Sul e Interamérica se reuniram para participar do Curatorium do

Leia mais

BOSCOFOLIA 2024

No dia 13 de fevereiro, o Pró Menor Dom Bosco, na Zona Leste de Manaus, foi palco de uma celebração única neste Carnaval. O BoscoFolia

Leia mais

Está gostando deste Conteúdo? Compartilhe!

plugins premium WordPress
Ir para o Whatsapp
1
Precisa de ajuda?
Olá! Podemos te ajudar? 😀