EnglishFrenchGermanItalianPolishPortugueseSpanish


Notícias

Celebrando o mistério da Páscoa do Senhor

Quinta-feira Santa – Instituição da Eucaristia: Celebra-se a instituição da Eucaristia e do Sacerdócio ministerial e realiza-se a cerimônia do lava-pés. Nessa celebração também se recorda o mandamento novo que Jesus deixou: Eu vos dou um novo mandamento, que vos ameis uns aos outros assim como Eu vos amei.” Um nota litúrgica interessante: nas celebrações da quinta-feira à noite e da sexta-feira não se dá a benção final; ela só será dada solenemente, no final da Vigília Pascal.

Sexta-Feira Santa – Paixão de Cristo: a Igreja contempla o mistério do grande amor de Deus pelos homens. Ela se recolhe no silêncio, na oração e na escuta da palavra divina, procurando entender o significado profundo da morte do Senhor. Neste dia não há missa. À tarde acontece a Celebração da Paixão e Morte de Jesus, com a Proclamação da Palavra, a oração universal, a adoração da cruz e a distribuição da Sagrada Comunhão. Nesse dia a Igreja pede o sacrifício do jejum e da abstinência de carne, como ato de homenagem e gratidão a Cristo, para ajudar-nos a viver mais intensamente esse mistério, e como gesto de solidariedade com tantos irmãos que não tem o necessário para viver. A Semana Santa não se encerra com a sexta-feira, mas no dia seguinte quando se celebra a vitória de Jesus. Só há sentido em celebrar a cruz quando se vive a certeza da ressurreição.

Sábado Santo – Vigília Pascal: é dia de “luto”, de silencio e de oração. A Igreja permanece junto ao sepulcro, meditando no mistério da morte do Senhor e na expectativa de sua ressurreição. Durante o dia não há Missa, batizado, casamento, nenhuma celebração. É dia de silencio. Calam os sinos e os instrumentos. É ensaiado o aleluia, mas em voz baixa. É o dia para aprofundar, contemplar. O altar está despojado. O sacrário aberto e vazio. A Cruz continua entronizada desde o dia anterior, central, iluminada, com um pano vermelho com o louro da vitória. Deus morreu. Quis vencer com sua própria dor o mal da humanidade. É o dia da ausência. O Esposo nos foi arrebatado. Dia de dor, de repouso, de esperança, de solidão. O próprio Cristo está calado. Ele, que o Verbo, a Palavra está calado. Depois de seu último grito da cruz “por que me abandonastes?”” agora Ele cala no sepulcro. Descansa: “tudo está consumado”. Mas este silêncio pode ser chamado de plenitude da palavra. O assombro é eloquente. “Resplandece o mistério da cruz”. O sábado é o dia em que experimentamos o vazio, ou seja, não é um dia vazio em que “não acontece nada”. Nem uma duplicação da Sexta-Feira Santa. A grande lição  é esta: Cristo esta no sepulcro, desceu a mansão do mortos, ao mais profundo em que pode ir uma pessoa. E junto a Ele, como sua Mãe Maria, está a Igreja, a esposa calada, como ele. À noite, a Igreja celebra a solene Vigília Pascal, a “mãe de todas as vigílias”, revivendo a ressurreição  de Cristo, vitória sobre o pecado e a morte. A cerimônia é carregada  de ricos simbolismos que nos lembram a ação  de Deus, a luz e a vida nova que brotam da ressurreição de Cristo. A celebração é no sábado à noite, é uma Vigília em honra ao Senhor, segundo uma antiquíssima tradição, (Ex 12,42), de maneira que os fieis, seguindo a exortação  do Evangelho (Lc 12, 35 ss), tenham acessas as lâmpadas como os que aguardam a seu Senhor quando chega, para que, ao chegar os encontrem em vigília e os faça sentar em sua mesa. Toda a celebração da Vigília Pascal é realizada durante a noite, de tal maneira que não se deva começar antes de anoitecer, ou termine a aurora do Domingo.

Domingo da Ressurreição-Páscoado Senhor: toda Semana Santa é realizada justamente para nos prepararmos mais intensamente para a realização da Páscoa em nós, com a vida nova indicada por Cristo ressuscitado. Páscoa é vitória, é o homem e a mulher chamado (a) a sua maior dignidade. Como não se alegrar pela vitóriad`Aquele que tão injustamente foi condenado à paixão mais terrível e à morte de cruz? Pela vitória d`Aquele que anteriormente foi flagelado, esbofeteado, cuspido, com tanta desumana crueldade. A Ressurreição nos revela a nossa vocação cristã e nossa missão. O homem e a mulher não pode perder jamais a esperança na vitória do bem sobre o mal. Creio na Ressureição? A proclamo? Creio em minha vocação e missão cristã? A vivo? Creio na ressurreição futura? É alento para esta vida? São perguntas que dever ser feitas. A mensagem redentora da Páscoa não é outra coisa que a purificação total do homem e mulher, a libertação de seus egoísmos, de sua sensualidade, de seus complexos, purificação que, ainda que implique em uma fase de limpeza e saneamento interior, contudo se realiza de maneira positiva com dons de plenitude, com a iluminação do Espírito, a vitalização do ser por uma vida nova, que transborda alegria e paz – soma de todos os bens messiânicos -, em uma palavra, a presença do Senhor ressuscitado. São Paulo o expressou com incontida emoção neste texto: “Se ressuscitastes com Cristo, então vos manifestareis gloriosos com Ele”. A ressurreição de Cristo é a antecipação e garantia da nossa ressurreição.

Elias Pereira da Silva

Formação Liturgica

Enviado pelo Pe. José Francisco

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CURATORIUM DO CRESCO

No dia 22 de fevereiro em Tlaquepaque, Jalisco, México, os Inspetores das regiões do Cone Sul e Interamérica se reuniram para participar do Curatorium do

Leia mais

BOSCOFOLIA 2024

No dia 13 de fevereiro, o Pró Menor Dom Bosco, na Zona Leste de Manaus, foi palco de uma celebração única neste Carnaval. O BoscoFolia

Leia mais

Está gostando deste Conteúdo? Compartilhe!

plugins premium WordPress
Ir para o Whatsapp
1
Precisa de ajuda?
Olá! Podemos te ajudar? 😀